arrow&v
Hino à bandeira; Carrinho de pipoca

Hino à bandeira; Carrinho de pipoca

Hino à bandeira; Carrinho de pipoca

$Formate aqui o Olho (no banco de dados, use sublinhado para criar o Olho)

Hino à bandeira; Carrinho de pipoca

Carmela Gross

(São Paulo, Brasil, 1946)

Hino à bandeira

 

...Pensei que o material de meu trabalho de fato devesse ser uma “matéria-prima”. Pensei na água. Mas era preciso conformála de algum modo… Não com um recipiente, mas com um material poroso, um tecido, por exemplo, uma pele… Pensei no trabalho cotidiano e primitivo, historicamente feito por mulheres – lavar, quarar e estender roupas. Pensei nos grandes planos de roupas coloridas estendidas ao sol…

Produzi alguns desenhos e um conjunto de gravuras, cujas cópias foram feitas a partir de uma mesma matriz retangular. Porém, cada uma foi entintada com uma tonalidade distinta de rosa. Todas iguais na forma, mas diferentes no tom.

Meu plano de trabalho para o museu compreendia, agora, muitas rosas e uma forma modular, feita de tecido.

Escolhi, então, lençóis comuns, desses de fabricação industrial e para uso em camas baratas, com muitos tons de rosa. Molhados, eles foram dispostos no chão, em várias camadas, formando um retângulo de 12 x 18 m – um plano cromático estendido no vão monumental do museu.

Carrinho de pipoca

 

O carrinho que passeia pela cidade empurrado pelo vendedor ambulante de pipoca foi o suporte escolhido por mim para receber uma pintura especial em toda a sua superfície exterior – o corpo metálico, as pequenas portas, a capota, a caixa de vidro, a manopla e as rodas foram recobertas com alguns quilos de batom.

 

A massa pastosa recobre todo ele com muitas rosas, vermelhos, vermelhões, alaranjados e carmins, criando grandes superfícies vermelhejantes. A dinâmica dos gestos da pintura deixa suas marcas em misturas de muitos tons, transparências e opacidades ao acaso.

 

Não mais pipocas à venda, nem vértices, arestas ou superfícies metálicas. Às avessas, os vidros-mostruário e seu corpomóvel expõem a encarnação sensual do batom.

[Em tempo, a pipoca é considerada a comida sagrada do Candomblé e é a oferenda preferida do orixá Obaluaiê/ Omolu. Ele guarda os segredos da morte e do renascimento].

Leia o jornal em pdf

01_AF_DIGITAL_Jornal_Bienal12.jpg

Mais artigos

Não há ‘cicatrização’ sem políticas de reparação

Aline Motta

read article

Danço na terra em que piso

Renata Felinto

read article

Marias de minha vida 2019

Mirella Maria

read article
LeiDeIncentivoACultura - Bienal do Merco

REALIZAÇÃO:

PATROCÍNIO:

FA_SANTANDER_PV_POS_RGB - Bienal do Merc

FINANCIAMENTO:

ProCulturaRS-GovernoDoEstadoRS - Bienal
Minsterio do turismo.png

Site criado e desenhado pela EROICA conteúdo