Resgate histórico da Bienal do Mercosul no Memorial do RS é tema da série “Conversas de Cozinha”

Atualizado: 23 de ago.






O terceiro encontro da série Conversas de Cozinha – Bastidores da Bienal acontece no dia 31 de agosto (quarta-feira), às 19h, no Auditório do Instituto Ling. O bate-papo contará com Carolina Grippa e Taís Cardoso, produtoras da 13ª Bienal do Mercosul, e Kailã Isaias, membro da equipe do Projeto Educativo da mostra. Grippa e Cardoso – responsáveis pela pesquisa da mostra Trajetórias, que estará sediada no Memorial do Rio Grande do Sul, abordarão assuntos relacionados à exposição. Isaias comentará sobre os cursos, as oficinas e as atividades especiais programadas para o local. Interessados em participar do encontro Conversas de Cozinha podem se inscrever de forma gratuita aqui.


Na pauta do encontro também estão os desafios e as vantagens das pesquisas realizadas fora do ambiente acadêmico e a história da Bienal do Mercosul, que envolve a população de Porto Alegre e do Estado há 25 anos. Em 2022, a exposição será realizada de 15 de setembro a 20 de novembro.


A série Conversas de Cozinha – Bastidores da Bienal segue até novembro no Instituto Ling. Presenciais e mensais, os bate-papos reúnem integrantes das equipes do Projeto Educativo, da produção, da arquitetura, da engenharia e da montagem do evento para abordar o desenvolvimento de propostas artísticas, desde a concepção até a execução e inserção na 13ª Bienal.


Além de apresentar artistas e obras presentes nesta Bienal, os encontros têm como objetivo compartilhar aspectos menos conhecidos do público em geral, relacionados aos processos criativos e executivos por trás desses trabalhos, no contexto de uma Bienal do Mercosul.


A 13ª Bienal do Mercosul é viabilizada pela Lei de Incentivo à Cultura, patrocínio master do Santander e patrocínio para o Programa Educativo da Crown Embalagens. A mostra conta com apoio institucional do Centro Cultural UFRGS e apoio cultural do Instituto Ling. Realização Fundação Bienal do Mercosul, financiamento do sistema Pró-Cultura da Secretaria da Cultura do Governo do Estado do RS. Realização da Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal.


Serviço

Conversas de Cozinha – Bastidores da Bienal no Memorial do RS

Data: 31 de agosto (quarta-feira) de 2022 Horário: das 19h às 21h

Local: Auditório do Instituto Ling (rua João Caetano, 440 – Três Figueiras – Porto Alegre/RS)

Inscrições gratuitas aqui.




Participantes da atividade

Carolina Bouvie Grippa é mestra em História, Teoria e Crítica de Arte (UFRGS) e bacharela em História da Arte (UFRGS) e Moda (Universidade Feevale). Trabalha com produção cultural, curadoria e pesquisa. Na 13° Bienal do Mercosul, é coordenadora de produção executiva.

Kailã Isaias é formada em Comunicação Social (UFRGS) e cursa bacharelado em História da Arte pela mesma instituição. É mestranda em História, Teoria e Crítica de Arte (UFRGS) e tem como foco de pesquisa o sistema da arte, questões raciais e seus imbricamentos. Já trabalhou como produtora cultural em eventos como o Festival de Cinema Colors (2017) e assistente de produção na 12ª Bienal do Mercosul e como assistente do Programa Educativo da Fundação Iberê. Atualmente atua como assistente do Programa Educativo da 13ª Bienal do Mercosul.

Taís Cardoso é mestra em História, Teoria e Crítica de Arte e bacharel em Ciências Sociais, ambos pela UFRGS. Atua como pesquisadora, produtora cultural e curadora independente, priorizando projetos com abordagem feminista e queer que envolvem ecologia e tecnologia. Na 13ª Bienal do Mercosul, é produtora da mostra e residência artística Transe.

Sobre a 13ª Bienal do Mercosul

A 13ª Bienal do Mercosul reflete sobre experiências coletivas nesta edição, que retoma o formato presencial. O evento é assinado pelo curador geral, Marcello Dantas, os curadores adjuntos Tarsila Riso, Laura Cattani, Munir Klamt e Carollina Lauriano, com curadoria pedagógica de Germana Konrath. Com acesso gratuito, as exposições, que incidem sobre o tema Trauma, Sonho e Fuga, pretendem proporcionar ensaios de imersão por meio dos sentidos e da percepção dos visitantes. A mostra, presidida pela empresária Carmen Ferrão, acontece de 15 de setembro a 20 de novembro em diferentes espaços de Porto Alegre.


Esta edição reconhece nos traumas – individuais ou coletivos – o maior combustível da arte de todos os tempos e entende os sonhos como um estratagema para a fuga. Assim, a vivência traumática coletiva, como é o caso da pandemia de covid-19, impulsiona a criação artística para um novo território. O impacto no imaginário comum, por meio da ativação do onírico, dos sonhos e dos delírios, abre portas para o escape de uma condição imposta a todos nós.


Sobre o Projeto Educativo da Bienal do Mercosul Para a 13ª edição da Bienal do Mercosul, a equipe educativa organizou ações em diversas plataformas e formatos, de maneira estendida no tempo, a fim de promover a qualificação do ensino da arte e a construção de um pensamento crítico e criativo de modo continuado. Nesse sentido, foi antecipada a produção do material pedagógico Diálogos, endereçado a professoras e professores da rede pública estadual e municipal, distribuído via SEDUC e SMED para trabalho em sala de aula ao longo deste ano.


Um diálogo sincero – Curso para Formação para Mediação, que acontece entre 12 de julho e 14 de setembro, no Centro Cultural da UFRGS, é voltado para estudantes e profissionais interessados em arte contemporânea, educação, cidadania e acessibilidade cultural que queiram fazer parte da equipe de mediação do evento. Gratuito e dividido em dois módulos, o curso totaliza 25 encontros. Abordará conteúdos práticos e teóricos, incluindo reflexões envolvendo os temas desta edição da Bienal: Trauma, Sonho e Fuga.


Já o ciclo de bate-papos Diálogos em Transe pretende debater com a comunidade o desenvolvimento das concepções artísticas, curatoriais, científicas e executivas presentes na mostra Transe, que integra a 13ª Bienal. O ciclo faz parte das Ocupações Educativas, que incluem ainda encontros com educadores e colaborações do Projeto Educativo em projetos artísticos desta Bienal em que a participação ativa do público é estruturante.


O Educativo tem como atividade-base a mediação em todos espaços expositivos da Bienal, seja para público espontâneo ou agendado, durante todo o evento. Visando ampliar o acesso aos espaços da mostra, a Bienal oferece ônibus para transporte de turmas da rede pública escolar da Grande Porto Alegre aos espaços expositivos da mostra.


Ao longo de 12 edições, o Projeto Educativo já realizou um milhão e 200 mil agendamentos escolares, produziu 298 mil materiais didáticos para alunos, professores e instituições de ensino e já formou mais de 2 mil mediadores. A 13ª Bienal pretende dar continuidade a esse grande legado do evento.